Ignorar Comandos do Friso
Saltar para o conteúdo principal
   
Procura Avançada
Recursos educativos
RCBP > Página Inicial > Sítios Úteis > Recursos Educativos

 

De pequenino se torce o destino: crianças, bibliotecas, Internet

A relação crianças, bibliotecas, Internet encerra uma problemática da qual, nos nossos dias, não nos podemos alhear. Com efeito, a irresistível atracção da Internet, enquanto fonte tendencialmente ilimitada de conhecimento e divertimento, obriga as Bibliotecas a definir o respectivo papel na educação dos mais novos.

O uso responsável e seguro da Internet por parte de  crianças, jovens e cidadãos em geral, é promovido pelo sítio do Centro Internet Segura, coordenado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia, que edita também complementarmente uma página no Facebook.

Os sítios portugueses para crianças são na sua maioria da responsabilidade de empresas ou de professores. Os primeiros apostam na animação e no design gráficos e os segundos numa estrutura mais individualizada. Os sítios para crianças em língua inglesa que seleccionámos são da autoria de profissionais de Biblioteca e revelam-nos as potencialidades de uma abordagem profissional desta matéria. No seu conjunto, os sítios que apresentamos permitem oferecer às crianças muitas horas de aprendizagem e de recreio na Net.

O sítio do Instituto de Apoio à Criança (IAC) constitui uma referência insubstituível nesta problemática: reúne informação diversificada sobre Direitos da Criança, normalização e apoio técnico incluindo jurídico, espaços destinados aos mais novos, segurança, apoio às crianças da rua, jogos, passatempos, eventos nacionais e internacionais, etc. O  blogue Crianças a torto e a direitos divulga muita desta informação de forma mais simplificada e complementar. Algumas das principais questões relacionadas com a Segurança das crianças na Internet são tratadas, em português, no sítio do Núcleo Minerva da Universidade de Évora, cuja consulta recomendamos. O Projecto DADUS da autoria da Comissão Nacional para a Protecção de Dados (CNPD) é destinado a professores do 2º e 3º ciclos; o dadus.blogue, directamente dirigido a crianças e jovens, apela de forma lúdica (jogos, passatempos, histórias e banda desenhada) à participação directa e activa dos mais novos. 

Aprender e brincar… em português

Os sítios portugueses mais populares encontram-se referenciados em O Leme, o portal português sem fins lucrativos de Jorge de Freitas. Estes sítios oferecem actividades lúdico-educativas, muitas vezes relacionadas com os programas escolares, e são em parte produzidos por empresas de conteúdos culturais como a RTP ou como os grupos editoriais o Sítio dos miúdos da Porto editora ou o Júnior da Texto editores. 

Da mesma natureza indicamos, a título de exemplo, três sítios que divulgam as actividades das respectivas organizações no âmbito do tema a natureza e os animais tão caro aos mais novos: o Badoka Safari Park,  o Jardim Zoológico de Lisboa, o Aquário Vasco da Gama e o Oceanário.

Já o sítio Natureza brincalhona é da autoria de uma empresa de profissionais especializados nas áreas de gestão de empresas, design multimédia e educação ambiental; promovem conteúdos web sobre educação ambiental e fazem formação em educação ambiental. Também de uma empresa cultural, a Team - projectos de investimento, Ldª. (que detém a licença para Portugal da Fun Science, Ciência Divertida®), o sítio Ciência divertida expandiu a respectiva rede nacional a praticamente todo o país em sistema de franschising.

O portal português Sapo lançou em 2009 o Sapo Kids, um sítio de conteúdos e serviços próprios para crianças de 3 a 12 anos, disponível gratuitamente em todos os países de língua oficial portuguesa; inclui uma aplicação denominada Scratch para criar projetos animados e desenvolver o raciocínio criativo, lógico e matemático.

Os sítios concebidos e editados por professores e investigadores, em nome individual ou integrados em projectos institucionais, denotam uma acentuada componente didáctico-pedagógica prevalecente sobre as soluções de webdesign encontradas. Tal é o caso dos sítios da Escola Superior de Educação de Santarém: Os contos de H. C. Andersen, Eu sei, No mundo das fábulas, A viagem de Vasco da Gama; e Catraios da  Escola Superior de Educação de Bragança.

De natureza institucional, sugerimos a seguinte amostragem:

APAVJ, o sítio da Associação Portuguesa de Apoio às Vítimas dirigido a crianças, adolescentes, pais e educadores, em português e em inglês.

Ciência Viva, da Agência para a Cultura Científica e Tecnológica, promove educação científica e tecnológica na sociedade portuguesa, em particular juntod dos mais jovens e na população escolar dos ensinos básico e secundário; 

A cidade da malta, para aprender a viver melhor na cidade, do projecto Aveiro Cidade Digital; também deste projecto, o sítio Era uma vez em Aveiro, sobre a história da região (séculos XV e XVI), é da autoria do Museu de Aveiro e dos Municípios de Oliveira do Bairro e de Vagos;

Clube de matemática, jogos, problemas, desafios, ateliês,  palestras, sítios úteis, bibliografia…, da Sociedade Portuguesa de Matemática;

Deco juvenil, sobre a sociedade de consumo (numa versão para crianças e noutra para jovens), da Deco-Proteste com a colaboração do Ministério da Educação;

O mocho: portal de ensino das ciências e de cultura científica, do centro de Física Computacional da Universidade de Coimbra.

No início da primeira década do século XXI os sítios pessoais dedicados aos mais novos conheceram alguma popularidade. De entre estes seleccionámos, pela sua diversidade, alguns sítios sobretudo da autoria de professores e de autores de histórias para crianças:

A escolinha de Luís Araújo e Escolovar do professor Vaz Nunes, para crianças ensino básico (pré-escolar e 1º ciclo);

A companhia do Zu do ilustrador José Abrantes.

História de Portugal de Teresa Pacheco destinado a crianças do 2º Ciclo, mas com interesse para outras idades;

O mundo em bandeiras do professor Franclim Ferreira, da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, que possibilita a pesquisa de bandeiras por países ou regiões e pela norma ISSO 3166; A história do dia de António Torrado;

As histórias infantis da avó Marlene de Marlene Silva;

O sótão da Inês teve início no ano 2000, quando a sua autora tinha 12 anos.

Aprender e brincar… em inglês

Os sítios que aqui reunimos são, na sua maioria, fonte de recursos educativos para bibliotecários, pais e educadores. Exceptuam-se os sítios da Biblioteca Pública de Toronto e da Internet Public Library (IPL) que se dirigem directamente para crianças e para jovens. A diferença entre estes dois últimos reside  no facto de, contrariamente ao da Biblioteca de Toronto, os sítios da IPL não remeterem para uma biblioteca física. Por último, listamos os chamados jogos sérios que utilizam o entretenimento digital como meio para construir uma consciência global e cívica e mobilizar os jovens para intervir crítica e criativamente no mundo em que vivemos.

Children’s services resources, da Ontário Library Service, Canadá, reúne dezenas de sítios para crianças e para adultos que se ocupam de crianças, bem como para jovens, organizados por temas, de entre os quais destacamos: navegação na Internet, recursos sobre a saúde online, aprendizagem em casa e trabalhos de casa, revistas e e-zines, livros online, leitura, direitos das crianças nas bibliotecas…

Great Web sites for kids, da autoria da Association for Library Service to Children (ALSC) e da American Library Association (ALA), é uma base de dados de sítios e portais, comentados, pesquisável por faixas etárias, palavra chave e endereço electrónico;

Kids click, base de dados de sítios e portais para crianças, comentados, classificados por faixas etárias e indexados; criado e desenvolvido por bibliotecários da Ramapo Catskill Library System, NY (EUA), destina-se a orientar a pesquisa para crianças na Internet;

Kidspace e Ramp for teens – os sítios para crianças e jovens respectivamente da Biblioteca Pública de Toronto, Canadá (que dispõe de 99 pólos e de mais de uma dezena de milhões de documentos) reúnem informação original e inteligente, apresentada numa estrutura lúdica e educativa.

Kidspace e TeenSpace, dois excelentes sítios para crianças e jovens respectivamente, da Internet Public Library, o  portal desenvolvido pela School of Information da Michigan University (EUA). Ambos oferecem, de forma lúdica e educativa, informação original e seleccionada, recorrendo à sensibilidade e ao sentido de humor;

Libraries.Fi: da Helsinki City Library (a Central Library for Public Libraries finlandesa) financiado pelo Ministério da Educação, inclui páginas produzidas por bibliotecários para crianças ou sobre literatura infantil, selecções de livros e  indicações para professores, pais e educadores, sítios de interesse para os mais novos, contos multimédia e textos escritos por crianças, um grupo para o estudo da literatura, entre outros.

 

 

Jogos sérios

 

Baseados na fortíssima identificação que se gera entre o jogador e a  respectiva personagem do universo digital, este tipo de jogos propõe aos mais novos a vivência virtual de alguns graves problemas das sociedades que vivemos. A organização americana sem fins lucrativos Games for Change oferece apoio, visibilidade e recursos a indivíduos e organizações que utilizam e concebem jogos digitais comprometidos com a mudança social; este sítio classifica por temas e descreve os jogos existentes nesta área.

 

Da autoria de organizações como as Nações Unidos e a Unicef ou de jovens universitários, estes jogos foram inicialmente concebidos para alertar os mais jovens para problemas dos países subdesenvolvidos. Tal é o caso de:

 

Food force, do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas, responsável pela ajuda alimentar em situações de emergência (guerras ou catástrofes naturais) ou de reintegração social, simula missões de uma equipa de peritos especializados em tarefas importantes do processo de ajuda alimentar;  em português.

 

Unicef World Heroes que simula o trabalho dos voluntários desta organização nos países mais pobres do mundo.

 

Third world farmer, originalmente da autoria de um grupo de estudantes da Universidade de Copenhaga, simula os mecanismos reais que causam e perpetuam a pobreza em África; em inglês.

  

  

 

Mais informação nos tópicos Livros para os mais novos e Promoção da leitura no item Sítios úteis da DGLB

 

 

© 2007-2014 Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas
Todos os Direitos Reservados
Última Actualização em: 26-06-2022